Tribal

Grupo da disciplina de Sociedade, Cultura e Tecnologia

Arquivo para Uncategorized

Cibercultura

Para introduzir o assunto apresento a vocês o conceito de cibercultura, que segunda a wiki, refere-se a:

“O próprio termo Cibercultura tem vários sentidos. Mas se pode entender por Cibercultura a forma sociocultural que advém de uma relação de trocas entre a sociedade, a cultura e as novas tecnologias de base micro-eletrônicas surgidas na década de 70, graças à convergência das telecomunicações com a informática”

A sociedade do espetáculo, dominada pelos meios de comunicação de massa, televisão, rádio, cinema, prepara o solo para a sociedade da simulação. Esta é caracterizada pelos ícones da modernidade (apropriação de conteúdo digital, colagem digitais, hackers, etc.). A conclusão de Lemos traz uma certa perspectiva futurista do que virá a ser a sociedade da simulação daqui a algum tempo, já que a sociedade da simulação cria uma nova realidade que propicia um pseudo-gozo por meio da vida digital que se cria. Inúmeros exemplos podem ser citados de manifestações “ficcionais” que tentam mostrar pedaços da trama sobre o efeito que a simulação pode causar em nós, dentre eles o grande exponencial, sem dúvida, é o filme Matrix.

A cibercultura traz consigo também diversas características em relação ao modo de vida das pessoas. O efeito da simulação e a visão da internet como uma terra sem lei, um ambiente semi-real, provoca nas pessoas a incorporação de personas, seres que elas são na internet, mas que não estão presentes na vida real. Esse ambiente também traz novos conceitos como o de “baixado, não é roubado”. Transformando-se esse ambiente em rede em uma semi-realidade (realidade digital) simulada, caracterizando-a de fato como um “teatro de Dionísio”, uma vez que a sociedade do espetáculo pode ser interpretada como “o paraíso de Apolo”. A comparação da internet com um “teatro dionisíaco” vem do fato das pessoas estarem simulando todo o tempo, não vendo esse ambiente como realidade.

O fato da ausência de conseqüências faz com que alguns conceitos sequer existam no âmbito virtual, como exemplo disso pode-se citar a imensa apropriação de conteúdo que existe na internet e que não tem conseqüências para a vida real, excetuando-se casos bem pontuais, excluindo assim, de certa forma, os conceitos de roubo ou de plágio.

Debate sobre Jogos Digitais: Mortal Kombat

  • Regras:
  1. Quando o life do seu personagem chegar a zero você perde.
  2. Você só pode realizar certos golpes se combinar corretamente um conjunto de botões.
  3. Para ser vencedor você deve derrotar seu oponente em dois rounds.
  4. Você só poderá realizar o golpe final especial (Brutality,mortality,etc.) se ganhar dois rounds do jogo, quando seu oponente estiver em estado quase-morto e aparecer a frase “Finish Him” na tela.
  • Resultado Variável e Quantificável:
  1. Você pode ganhar de 2×0 ou de 2×1.
  • Valorização do Resultado:
  1. Os resultados são mais valorizados se o jogador ganhar de golpes finais especiais ou perder o mínimo de life (Valorização Máxima: “Perfect”).
  • Esforço do Jogador:
  1. Habilidade de combinar comandos a fim de realizar golpes mais eficientes.
  2. Defender-se dos golpes do oponente.
  • Vínculo do jogador com o resultado:
  1. Emocionalmente vinculado ao resultado: Ganhar > Feliz/Indiferente ou Perder > Infeliz / Indiferente
  • Consequências Negociáveis:
  1. Alguns jogadores jogam apostado: dinheiro,predas,vez, etc.
  2. Ou Não.

Cibercidade: Configurando o futuro.

Disponibilizamos para download nosso arquivo contendo o mapa na versão Lite do trabalho de SCT: Projeto Serviluz Cidade Digital

Além disto, descrevemos brevemente alguns conceitos que implementas em nossa simulação de cybercidade.

Cidade Digital Serviluz.docx

Cidade Digital Serviluz

  • Projeto de Internet Para
    Todos

Implantação de internet Wireless
para todo o bairro, assim a população terá uma participação
ativa nos serviços e outras funções online. Além disso, através de parceria com algumas empresas construtoras de hardware e software, acordos são realizados para a construção e compra por parte da população de desktops e CPUs acessíveis. Outro programa implementado para a população possuir a ferramenta seria a do aluguel de algumas máquinas. Dispositivos de segurança como sinais de GPS seriam armazenados na ferramenta para evitar usuários mal intencionados e recuperação de aparelhos em caso de roubo.

  • Projeto de Integração
    de Empresas

Com a integração de empresas será
mais fácil o cidadão ser encaminhado para o serviço específico
desejado, isso através de um site com todas as empresas cadastradas.
As empresas também poderão realizar parcerias com outras empresas
com mais facilidade. Além disso, através de incentivos as empresas também são orientadas a buscar seus futuros trabalhadores direto na fonte, ou seja, nos telecentros.

  • Projeto de Integração
    dos Serviços Públicos

Criamos um portal de serviços públicos completamente integrado, onde seus dados podem ser armazenado em banco de dados e caso seja necessário à uma determinada repartição pública o acesso dessas informações. Isso diminuiria a burocracia para transferência de documentos e filas abusivas que surgem ao requisitar serviços nessas instituições.

  • Projeto de Implantação
    de Telecentros

Os telecentros são locais onde a população
terá acesso a diversas tecnologias, nesses centros eles além de aprenderem
essas tecnologias, poderão desenvolver projetos para o restante da
comunidade. Os telecentros são orientados para as tecnologias em expansão. A forma de ensino evitarão o vício no tecnicismo. Permitindo que os futuros instruídos sejam capaz de desenvolver suas próprias técnicas devido um aprendizado que estimula também o raciocínio e não somente a memória.

  • Projeto de Implantação
    de Terminais de internet

Totens de internet serão distribuídos
pelas ruas do bairro para que a população tenha acesso rápido aos
serviços de internet. Utilizando tecnologia touch e web semântica. Mesmo usuários com pouca capacidade para navegar pela internet seriam capazes de encontrar o que procuram. Somente necessário alguns toques na tela e anunciar o que desejam. A web semântica permitiria a interpretação e busca fossem direcionada para a necessidade do usuário, seja através de um interpretação exata ou em caso mais específicos eliminando o leque de opções até chegar na solução desejada.

  • Projeto
    de Cadastramento da População (Informações)

A partir do cadastramento da população
do bairro, os cidadãos terão acesso a todos os serviços disponíveis
na cidade digital.

  • Projeto de Mini-empresas
    Tecnológicas (Pequenos Pólos Tecnológicos)

Nesses locais terão investimentos
para o desenvolvimento de novas tecnologias, boa parte dessas tecnologias
será direcionada para o próprio bairro.

  • Projeto de Sistema de
    Segurança

Será implantando um sistema de
segurança avançado para garantir a segurança dos habitantes locais.

  • Projeto de Capacitação
    Tecnológica da População

Será desenvolvido um projeto
para haver um incentivo para população se tornar capacitada e manipular
novas tecnologias, isso melhora as habilidades dos futuros profissionais
e acaba, em parte, com a exclusão digital.

Problemas:

Casos de furto.

Venda dos materiais disponibilizados.

Falta de manutenção.

Falta de verba.

Violência

Falta de interesse por parte da população.

Dificuldades de relações sociais
presenciais (em parte).

Benefícios:

Promoção social do bairro em relação
as demais comunidades: elevação cultural, social, econômica, etc.

Fim da exclusão digital.

Facilitação de serviços: comércio,
saúde, segurança, educação, etc.

Melhorias da capacidade profissional
dos moradores.

Criação de projetos que ajudarão
no desenvolvimento, não somente pessoal, como também, geral.

Cidade Digital

O vídeo abaixo é um exemplo de cidade digital que estão querendo implantar no Paraná, em Guarapuava. E assim como esta, outras localidades, atualmente mais de 150 espalhadas pelo Brasil, também estão sendo beneficiadas com a tecnologia, com a telecomunicação. Isso significa que, de certa forma, a tecnologia está revolucionando os relacionamentos entre cidadãos, seja de âmbito público ou privado, estamos vivendo as cidades do futuro com a democratização da internet. Cidade digital não é uma outra cidade ou apenas um espaço virtual, é a junção do espaço urbano com as novas tecnologias digitais de informação e comunicação.

jmonkey

JMonkey é uma Engine desenvolvida em java para criação de cenários 3D baseados em API Gráfica java.

O objetivo de uma Engine é agilizar e facilitar o trabalho do programador, pois, com funções já prontas para criação de recursos necessários à esse tipo de aplicação 3D, não há necessidade de “recriação da roda”, mas sim, apenas criar um modo de se utilizá-la.

Uma grande vantagem de se utilizar uma engine feita para java é a sua portabilidade uma vez que os aplicativos java são independentes de plataforma.
Projetos compilados usando linguagem java e consequentemente Engines java como o JMonkey rodam em JVM (Java Virtual Machine) que são máquinas virtuais desenvolvidas em várias plataformas com o objetivo de rodar aplicativos feitos em java.

Além de agilizar, uma engine como JMonkey permite ao utilizador a facilidade de integração com ferramentas e conceitos mais complexos que seria necessário em um projeto mais elaborado.

http://www.jmonkeyengine.com

Alguém viu o testamento de Adão por aí?

img_7785292_1253036592_abig

É fato que tudo vem de algum canto, não existe esse produto que não faz referência a outros produtos, visto que nossa própria vida está vinculada a estas obras. Pode-se observar isto na adoção de clichês que saem das telinhas. Quem foi que nunca falou o conhecido: “Que magavilha!”. O fato de eu utilizar esse clichê nas ruas, tudo bem né? Ou eu devo pagar uma indenização por isso também? E se eu colocar o sirizinho daquela marca de cerveja (eu posso falar Skol, ou tenho que pagar indenização também?)  no meu vídeo caseiro, durante quatro segundo e sair distribuindo por aí?

Aí tem problema, meu caro Watson.  Então quer dizer que devemos pedir permissão agora pra reproduzir, né? Tá bom, então (ao estilo do rei Francisco I, da França) gostaria muito de ver a autorização por escrito do siri da praia, dizendo a marca de cerveja que ela pode usar de sua imagem. Ou deveria pedir o depoimento dos ratinhos americanos, citando alegres e satisfeitas que empresas têm a exclusividade de sua reprodução? Ou seria melhor dá uma boa conferida no testamento de Adão?

Na minha opinião, Copyright é o novo termo que empresas utilizam pra fazer referência a hipocrisia. Aonde se quer chegar com isso? Me faça o favor, se não quer que as pessoas reproduzam seus “desenhozinhos”  escondam eles em cofres de segurança máxima e não deixe  que nem mesmo sua mãe saiba da existência dele. Ou então, comece a processar todas as criacinhas de 5 anos que desenham o Mickey em seus cadernos. Ai é, assim não é crime né? Pois eu tinha um amigo no jardim da infância que vendia os desenhos do ratinho pros coleguinhas. Foi mal, cara, te dedei, agora os caras já devem tá batendo na tua porta, cobrando milhões, enquanto deixam solto o cara que fez aquilo na cara do Michael Jackson. (O assunto é sério, a indenização pra quem baixa duas músicas da internet é superior pra um açougueiro que ampute a perna de uma pessoa numa cirurgia. )

Tenho que concordam com Lessig na seguinte afirmação: “Seu objetivo não é simplesmente proteger o que é deles. Seu objetivo é assegurar que tudo o que existe é aquilo que é deles.”

Só pra constar, já que tenho que pedir permissão  pelo que vou produzir, me responde só uma coisa: O que é que eu posso produzir mesmo, em?

Cultura Livre

Lessig, um defensor da internet livre e crítico com relação aos termos do copyright, mostra a idéia de liberdade como uma condição fundamental para o bom desenvolvimento tecnológico e cultural e mostra também que seria muito mais benéfico para a cultura se as leis de direitos autorais fossem menos rigorosas. Isso ajudaria até mesmo a educação aberta em países como o Brasil, em que o material didático seria feito de acordo com as necessidades locais. Assim, os lucros seriam reduzidos e comunidades participariam da formação do conhecimento.